COMUNICADO Nº 99 da Direçom Nacional: 25-N, Dia contra a violência machista. Menos declaraçons e condenas. MAIS MEDIDAS EFICAZES CONTRA O TERRORISMO PATRIARCAL

Padrão

25-N, Dia contra a violência machista

Menos declaraçons e condenas

MAIS MEDIDAS EFICAZES CONTRA O TERRORISMO PATRIARCAL

Novamente, durante umhas semanas, as instituiçons do regime postfranquista tingem de epidérmico lilás o seu relato. Pretendem aparentar que estám implicadas no combate à violência machista, preocupadas em paliar as suas consequências.

Porém, nom som mais que boas e bonitas palavras que nom se plasmam em factos tangívies, visadas para reduzir e erradicar umhas práticas e comportamentos que formam parte do ADN do patriarcado.

As campanhas institucionais nom logram mais que ativar mornamente e durante uns poucos dias, a denúncia da violência que as mulheres trabalhadoras padecem nesta sociedade, mas nom passam de ai. Posteriormente nom se aplica um conjunto de medidas de choque no ámbito educativo, familiar, laboral, comunicativo, nem se aplicam os protocolos institucionais em caso de denúncias por violência.

O próprio movimento feminista galego, sob umha orientaçom cada vez mais institucional e pequeno-burguesa, é incapaz de adotar umha prática coerente, que confronte com factos tangíveis a violência simbólica e real que todos os dias padecem centenares de milhares de galegas.

As batukadas, as manifestaçons lúdico-festivas ,ou os minutos de silêncio, que enchem as ruas e as praças das nossas vilas e cidades de hipocrisia, perante assassinatos, ou nas datas do calendário reivindicativo “feminista”, som simplesmente ineficaces e mesmo contraproducentes.

Enquanto se apostar em procurar pactos estatais com o inimigo, a realidade da violência patriarcal contras as mulheres vai seguir sendo o pam de cada dia.

Enquanto se permita o lavado de acra, a maquilhagem cínica de quem direta ou indiretamente contribuiu ou contribui para a perda de direitos e conquistas, ou apoia posicionamentos contrários aos interesses das mulheres trabalhadoras, todo seguirá como até agora.

É necessário construir um movimento feminista galego com inequívoco caráter de classe, que quebre a errónea politica de alianças com quem nom chama as cousas polo seu nome, ou com quem simplesmente incorporou a cada vez mais devaluada e ambígua etiqueta “feminista” com fins estritamente eleitorais.

De Agora Galiza nom cansaremos de manifestar que unicamente um feminismo de classe e combativo será quem de guiar a revoluçom feminista e socialista, e fazer frente à barbárie patriarco-capitalista. Só assim seremos quem de atingir a liberdade e conquistar os nossos direitos, os perdidos, e os que ainda ficam por conseguir.

O discurso do lamento e das condenas, a linha hegemonica do unitarismo “feminista”, de lavado de cara dos partidos patriarcalistas, facilitando a sua cínica participaçom nas denúncias da expressom mais brutal da violência machista, nom só é ineficaz, impossibilita a radical mudança de rumo para combater a aliança criminal do patriarcado com o capitalismo.

É necessária a auto-organizaçom das mulheres trabalhadoras, injetar consciência de feminismo de classe, porque a violência machista tem um claro componente classista.

Som as mulheres trabalhadoras as que padecem com maior rigor as suas consequências, as que carecem de mecanismos e ferramentas defensivas, as mais vulneráveis a secumbir polo terrorismo patriarcal.

Magdalena Moreira, [Porrinho, 18 de junho], Maria Judite Martins Alves [Corunha, 18 de julho] e Ana Belem Varela [Cabana de Bergantinhos, 19 de agosto] som as três vítimas mortais na Galiza de 2018 desta lacra que ano após ano vai incrementado a lista de mulheres assassinadas.

Mais um 25 de novembro -Dia internacional contra a violência machista-, lembramos a todas as mulheres assassinadas polo terrorismo machista, mas também queremos honrar aquelas que estivérom na vanguarda da luita na sua época: Nadezhda Krupskaya, Inessa Armand ou Alexandra Kollontai, pois fôrom elas as que alicerçarom as bases da libertaçom feminista, as que marcárom o caminho da liberdade económica, psicológica e sentimental, objetivo só possível numha sociedade Socialista.

Na Pátria, 25 de novembro de 2018