28 DE JUNHO -DIA INTERNACIONAL DA LUITA POLA EMANCIPAÇOM LGTBI

Padrão

28 DE JUNHO -DIA INTERNACIONAL DA LUITA POLA EMANCIPAÇOM LGTBI

Neste 28 de junho queremos reivindicar com orgulho, que foi a bandeira vermelha do primeiro Estado obreiro da história, quem implementou umha boa parte das reivindicaçons e demandas de liberdade sexual, que hoje se reclamam aplicar nas legislaçons dos países capitalistas.

Frente tanta amnésia deliberadamente imposta, frente tanta trivializaçom, devemos lembrar que foi a Revoluçom bolchevique de 1917 o primeiro Estado que legislou em prol da livre liberdade sexual de mulheres e homens.

A mercantiliaçom e banalizaçom que define o atual movimento gay oculta este facto histórico, pois está hegemonizado polo pensamento burguês e nom questiona o modo de produçom capitalista.

Só no Socialismo se sentarám as bases para atingir a plena liberdade e emancipaçom sexual.

[MEMÓRIA ANTIFASCISTA] 88 aniversário da apresentaçom pública da organizaçom antifascista Antifaschistische Aktion

Padrão

[MEMÓRIA ANTIFASCISTA]

88 aniversário da apresentaçom pública da organizaçom antifascista promovida principalmente polo Partido Comunista Alemam (KPD) para evitar o avanço do fascismo.

26 de junho de 1932 Antifaschistische Aktion realiza um multitudinário mitim em Berlim.

Hoje, em pleno agravamento da crise estrutural do capitalismo senil, o fascismo “renovado” é umha das alternativas promovidas pola burguesia para garantir e perpetuar a sua supervivência, e dissuadir à classe operária de luitar pola Revoluçom Socialista/Comunista.

O fascismo nom é umha ameaça do passado, é umha realidade tangível na Europa e em outros pontos do globo.

É necessário vertebramos umha frente antifascista que resista a embestida da oligarquia e derrote a ditadura do capital nas ruas e centros de trabalho. Mas nom para defender a democracia burguesa e sim para articular a alternativa socialista. O antifascismo deve ter um inequívoco componente anticapitalista.

Pola criaçom de um Bloco Popular Antifascista!

No 89 aniversário da proclamaçom da 1ª República galega publicamos texto “Os novos símbolos da nova galiza”

Padrão

27 de junho, 89 aniversário da proclamaçom da 1ª República galega

ANTIFASCISTA E OBREIRA

Na publicaçom antifascista “Nova Galiza”, dirigida por Rafael Dieste e publicada em Barcelona [Catalunha] entre 1937 e 1938, Castelao publica o texto “Os novos símbolos da nova Galiza”.

No texto editado no nº 6 da revista, de 1 de julho de 1937, o patriota galego apresenta o novo escudo nacional da Galiza. Um emblema popularmente conhecido hoje como “A Sereia”, de claro caráter laico e antifascista.

Eis o escudo do futuro Estado Galego.

OS NOVOS SÍMBOLOS DA NOVA GALIZA

[…]

O escudo tradicional deve trocar-se por outro. Seríamos parvos se acreditassemos que pode subsistir depois da guerra o escudo tradicional da Galiza com o seu emblema eucarístico, pois ainda que lhe atribuíssemos umha altíssima significaçom poética, identificando-o com o Santo Grial, nom seria respeitado polos supervivintes galegos depois do sacrílego proceder da Igreja católica no nosso país. Acatemos, pois, a realidade e criemos um novo escudo.

O debuxo que acompanha estas linhas pode aforrar toda explicaçom; mas nom estará de mais umha defesa antecipada deste projeto.

O emblema comunista -fouce e martelo cruzados- que representa a uniom dos obreiros e camponeses atrai a nossa atençom, porque quigeramos dar com um símbolo igualmente afortunado que represente a uniom dos labregos e marinheiros da Galiza.

Cruzar umha fouce cumha âncora? Seria um plágio desafortunado. Também se poderiam cruzar dous frutos do trabalho galego. Um peixe e umha espiga? Resulta antiartístico. Seria perferível recurrir aos emblemas tradicionais que lembrassem a grandeza espiritual ou social da Galiza.

Figem provas para combinar a estrela com umha concha e além de nom deixar-me satisfeito resultava umha rememoraçom das peregrinagens jacobeas e nom umha lembrança da nossa universalidade.

Se os nacionalistas alemans -por considerarem-se ários- nom roubáram para si a “ikurrinha” basca teríamos nós um emblema genuinamente galego: a esvástica de três braços curvos encerrados num círculo, ou trisquel, que representaria o sol -pai de toda fecundidade-.

A esvástica dos alemans, com os braços dobrados em ángulo reto, já nom é ária, senom adataçom dum velho emblema cruziforme ao cristianismo.

Na Europa só os bascos tinham direito a usar este símbolo -por ser tardicional no País Basco- e usaro-no muito antes que os alemans como distintivo nacionalista. A esvástica galega, que tam arreio aparece na época castreja e que por tanto celta, seria um magnífico emblema nacional para a Galiza. Os alemans roubárom a “ikurrinha” basca e figérom impossível o trisquel galaico.

Nom nos ficava mais que a fouce de ouro sobre um fundo azul e a estrela vermelha, como emblemas do Trabalho e da Liberdade. Ourelando o escudo cumpria deixar patente o martírio da Galiza. E a sereia que pertence à heráldica galega, como símbolo marinho que fale do engado atlântico, origem das nossas aventuras.

Nada mais. E perdoade-me que aborde este tema com tanta antecipaçom. Quiçás seja esquecer as angústias presentes”.

Comunicado nº 145: POSIÇOM DA ESQUERDA REVOLUCIONÁRIA GALEGA PERANTE AS ELEIÇONS AUTONÓMICAS DE 12 DE JULHO

Padrão

POSIÇOM DA ESQUERDA REVOLUCIONÁRIA GALEGA PERANTE AS ELEIÇONS AUTONÓMICAS DE 12 DE JULHO

Parte das forças políticas que apresentam candidatura nas eleiçons autonómicas de 12 de julho, tenhem reconhecido de forma explícita e implícita, a inexistência de condiçons mínimas sanitárias e democráticas para umha convocatória eleitoral.

Porém, tanto as quatro forças da oposiçom com representaçom institucional no parlamentinho de cartom, como o resto dos partidos que formalizárom as suas candidaturas, descartárom realizar um “plantom”. A renúncia pública a apresentar candidatura teria contribuído para desmontar o engano destas eleiçons amanhadas polo PP, nas que à partida já está praticamente garantido que Feijó revalidará a maioria absoluta atual.

A renúncia a exercer um “plantom” de eminente caráter antifascista teria evitado as eleiçons trampa de 12 de julho, pois pola excepcionalidade que padecemos, nom existem as “mínimas condiçons democráticas” na lógica do parlamentarismo burguês, para realizar as eleiçons autonómicas. Forçando assim o PP adiar as eleiçons, pactuando umha nova data, após superarmos o estado de shock no que segue instalado umha parte considerável do povo trabalhador polos efeitos da pandémia.

Nestas condiçons a única posiçom mais coerente para evitarmos mais quatro anos de desfeita socio-laboral, económica, meio-ambiental e cultural, de privatizaçons e perda de conquistas e direitos, é nom alimentar a monumental fraude que facilitará 4 anos mais de políticas antipopulares e antigalegas por parte da camarilha fascista empoleirada no aparelho de dominaçom autonómico.

Todas as candidaturas, sem exceçom, que concorrem 12 de julho, serám cúmplices destas eleiçons amanhadas, absolutamente adulteradas, do “pucheiraço” de Feijó.

Agora Galiza-Unidade Popular nem participa nem apoia nengumha das candidaturas, mas tampouco solicitamos exercer o legítimo direito de abstençom que tem definido nos últimos anos a nossa posiçom.

Compartilhamos os anelos e desejos da imensa maioria do povo trabalhador galego da urgência de retirar o PP do governo autonómico exercendo o seu voto 12 de julho.

Mas também sabemos que no hipotético caso de Feijó perder a maioria absoluta, o governo alternativo que se pudesse configurar, nom aplicará políticas estruturalmente diferentes às do PP. Será um governo de “cara amável”, similar ao de PSOE/Unidas Podemos, que incumprirá entre sorrisos e boas palavras os compromissos adquiridos.

A alternativa operária e popular, patriótica e socialista, que a Galiza necessita, só pode ser construída ao calor da luita unitária nas ruas, empregando as instituiçons burguesas como simples caixa de resonáncia, onde exercer pedagogia de massas para demonstrar a impossibilidade de legislar ao serviço das maiorias sem superarmos o capitalismo.

Portanto, a militáncia e simpatizantes de Agora Galiza-Unidade Popular, adotará a decisom mais coerente e consequente com a linha política revolucionária do projeto de classe e patriótico que com perserverança estamos construíndo.

Direçom Nacional de Agora Galiza-Unidade Popular

Na Pátria, 26 de junho de 2020

27 de junho, 89 aniversário da proclamaçom da Iª República Galega. ANTIFASCISTA E OBREIRA

Padrão

27 de junho, 89 aniversário da proclamaçom da Iª República Galega.

ANTIFASCISTA E OBREIRA

A menos de três meses da instauraçom do regime republicano -que no Estado espanhol susbtitui a corrupta e criminal monarquia bourbónica-, nom demorárom as novas autoridades em agravar a Galiza.

Umha onda de indignaçom operária e popular percorreu a coluna medular da Pátria. No Ourense de Jesusa Prado e António Fernández Carnicero, na Compostela de Carnero Valenzuela, Eduardo Puente “O Nécoras” e Pedro Campos Couceiro, o Carvalhinho de Ernesto Atanásio “O Corcheiro”, na Póvoa de Seabra, milhares de trabalhadores e trabalhadoras saírom as ruas perante a aldraje centralista que tinha paralisado as estratégicas e vitais obras do caminho de ferro Corunha-Compostela-Ourense-Samora.

Em Ourense foi dia 25, e na capital da Galiza dous dias depois -27 de junho de 1931-, quando umha greve geral de orientaçom revolucionária de inspiraçom proletária, proclama a 1ª República Galega.

Umha massa de homens e mulheres da Compostela do Trabalho, após terem assistido a um grande comício na Alameda, dirigem-se à praça do Obradoiro para posteriormente ocuparem as instalaçons municipais do paço de Rajói.

Antom Alonso Rios é nomeado primeiro presidente da Junta Revolucionária da República Galega numha jornada de indiscutível releváncia histórica, que a historiografia espanhola e autonomista deliberadamente continuam ocultando.

Mas umha hábil e veloz manobra do governo espanhol, reiniciando as obras do ferrocarril, desativa o desenvolvimento do movimento insurrecional.

Embora a proclamaçom da nossa independência nacional foi efémera, 27 de Junho deve ser umha data fundamental do calendário galego, que trascende a simples declaraçom simbólica e anedótica.

Hoje, quando o fascismo age com impunidade, é umha fraude qualquer programa que desde o campo da “esquerda” defenda umha sociedade justa e livre, sem renúncia a tombar o regime de 78 e favorecer o exercício do direito de autodeterminaçom, sem condiçons nem restriçons.

Depositar esperanças e expetativas no governo “progre” de Pedro Sánchez e Pablo Iglesias, nom passa de meras ilusons, que só provocarám frustraçom e desmobilizaçom popular.

Sem recuperarmos a soberania conculcada por Espanha e a UE, nom há a mais mínima possibilidade de implementar um programa de reformas visadas para melhorar as condiçons de vida, recuperar e alargar os direitos sociais e as liberdades do conjunto do povo trabalhador galego.

Carece de percorrido algum toda aquela estratégia que, reivindicando mudanças e transformaçons sociais, nom se incardina na defesa intransigente dumha Pátria soberana. Sem proclamarmos a 2ª República Galega nom podemos construir um País com justiça social.

Só umha República Galega de caráter socialista pode abrir o caminho a umha nova Galiza com justiça social, liberdades e plenos direitos. A pola Segunda!

Comunicado nº 144. Nem Juan Carlos nem Felipe VI, pola II República Galega

Padrão

Nem Juan Carlos nem Felipe VI, pola II República Galega

A constituiçom postfranquista de 1978, e o conjunto da arquitetura jurídica vigorante, procurou deixar todoatado y bien atado”, tal como sinalou o ditador meses antes de morrer na cama de um hospital.

A Lei de Amnistia impossibilita julgar os crimes do franquismo, e o execrável artigo 56 da Constituiçom, concede “inviolabilidade jurídica” aos Borbons.

Juan Carlos I amassou umha imensa fortuna de mais de 2.000 milhons de dólares segundo a revista Forbes, mediante cobro ilegal de comissons, presentes de magnates e grandes empresas, operaçons financieiras de fundaçons opacas e sociedades ‘off shore’ como Lucum e Zagatka, e todo tipo de negócios ilícitos. A maioria deste património está a nome de testaferros [amigos íntimos e familiares como o seu primo Álvaro de Orleans] em paraísos fiscais ou em contas no estrangeiro, com destaque para a Suiça.

Desde 2014, o Estado espanhol asignou-lhe umha obscena pensom vitalícia de 187.356 euros anuais, em qualidade de “rei emérito”.

Com a sua abdicaçom forçada em junho de 2014, o regime pretendeu aparentar que implementava mudanças “democráticas” visadas para estabilizar a profunda crise de legitimidade, e evitar que a indignaçom transsitasse face a rebeliom.

Juan Carlos de Bourbom perdeu a imunidade da que goçou durante décadas. Mas também a sua impunidade e negócios criminais começárom a ser deliberada e parcialmente conhecidos e divulgados. Ensujar Juan Carlos I para branquera Felipe VI. Eis a arriscada equaçom sobre a que gira a estratégia do regime.

As “provas” que possui um fiscal suiço, dos delitos fiscais e branqueio de capitais, poderiam abrir um inédito processo de investigaçom contra a peça chave da bóveda do regime postfranquista.

Centos de milhons de dólares cobrados em comissons polas obras do Ave na Arábia Saudita, poderiam provocar o seu julgamento. Porém, os delitos tivérom lugar em 2008 quando ainda gozava da proteçom e impunidade constitucional.

Mas nom prescreveu a obrigaçom do pagamento de impostos polas milionárias somas, nem a o seu branqueamento e corruçom mediante as transaçons comerciais internacionais da burguesia que pagou comissons para lograr a ajudicaçom das obras públicas com o governo feudal saudita.

Só calculados interesses de “Estado” facilitarám que o “Tribunal Supremo” espanhol investigue o caçador de elefantes por branqueio e delito fiscal. A Fiscalia da Suiça indaga uma “doaçom” de 100 milhons de dólares a uma fundaçom panamenha cujo primeiro beneficiário é Juan Carlos, realizada 8 de agosto de 2008 polo rei saudita Abdullah bin Abdulaziz Al Saud.

Um consórcio de empresas espanholas [ADIF, Renfe Operadora, INECO, Talgo, Cobra, Consultrans, Copasa, Dimetronic, Inabensa-Abengoa, Imathia, Indra e OHL], e sauditas [Al Shoula Group e Al Rosan Contracting] lográrom, mediante umha rebaixa de 30% do custo da oferta, o concurso da construçom do Ave de Medina à Meca frente aos ferrocarris estatais franceses [SNCF] e à multinacional Alstom.

Operaçom para salvar a monarquia postfranquista

A prioridade da operaçom de Estado em curso, procura salvar Felipe VI a custa de sacrificar ao seu pai, mediante umha soluçom que evite o julgamento e condena, e um apanho mediante um exílio dourado na República Dominicana que facilite retirá-lo “discretamente” do cenário.

Para evitar um maior desligitimaçom da monarquia, quando se divulgou na imprensa internacional os negócios sujos dos Borbons, 15 de março Felipe VI usou umha argúcia sobre os seus vínculos económicos com o seu pai: emitiu um comunicado renunciando à herdança. Mas segundo a legislaçom espanhola vigorante, toda renúncia é nula até o falecimento de Juan Carlos I.

O palácio da Zarzuela mentiu descaradamente. A pandemia do Covid 19 e os meios de [de]informaçom de massas, contribuírom temporariamente a amortecer o engano.

Polas características criminais do Estado espanhol, todo pode ficar resolvido mediante umha grotesca e estrambólica sentença dos tribunais inçados de fascistas, combinadas cumhas hipócritas declaraçons televisivas entre falsas lágrimas de arrependimento. “Lo siento, me he equivocado y no volverá a ocurrir”.

A imensa maioria dos partidos com representaçom institucional nas Cortes espanholas, tanto os “progressistas” como as fascistas, farám todo o possível por salvar Juan Carlos I e Felipe VI. Por salvar aos parásitos e corrutos Bourbons.

A classe obreira galega e o conjunto do povo trabalhador deve ligar a luita polas conquistas sociais e os direitos laborais que nos querem arrebatar, à mudança de regime e de sistema.

Nom é possível conquistarmos um país com justiça social e amplas liberdades, sem tombar o regime de 78, e portanto sem a queda da monarquia bourbónica e o sistema capitalista.

Seguirmos instalados no ilusionismo eleitoral, no amorfismo, só perpetua o sofrimento, depauperaçom e miséria à que nos condena o bloco de classes oligárquico espanhol, profundamente monárquico e franquista.

Basta de conformismo e resignaçom, basta de acreditarmos em falsas promessas e esperanças, som horas de organizaçom,mobilizaçom e luita.

Só a classe obreira salva a clase obreira!

Unidos venceremos, divididos pereceremos!

Viva o povo trabalhador galego!

A luita é o único caminho!

Direçom Nacional de Agora Galiza-Unidade Popular

Na Pátria, 10 de junho de 2020

Comunicado nº 143. BENIGNO E MONCHO, INSEPARÁVEIS COMPANHEIROS E BÚSSOLAS DA REVOLUÇOM GALEGA

Padrão

BENIGNO E MONCHO, INSEPARÁVEIS COMPANHEIROS E BÚSSOLAS DA REVOLUÇOM GALEGA

Todo projeto político genuinamente transformador, portanto revolucionário, deve contar com um imaginário coletivo próprio.

A desputa pola hegemonia operária frente à burguesa, é umha batalha permanente a desenvolver em todos os ámbitos sociopolíticos, sem exceçons.

A construçom de umha organizaçom socialista e feminista galega de libertaçom nacional, nom só necessita de um programa político tático flexível, de uns sólidos princípios ideológicos, de umha estratégia visada para a tomada do poder, de um discurso sedutor. Exige possuir umha cosmovisom cultural, antagónica à do inimigo de classe e do seu imperialista projeto nacional.

Mas também, no processo de edificaçom da força revolucionária, devemos emprestar recursos e energias a deslindar linha política, frente os diversos reformismos e oportunismos, com destaque para aqueles de fachada socialista, que exercem de muro de contençom da luita popular, inserindo calculadas doses anestesiantes e falsos tratamentos analgésicos.

Somos umha organizaçom marxista e revolucionária, polo que reivindicamos Marx e Lenine.

Somos um destacamento operário cujo específico quadro nacional de luita se desenvolve na periferia do centro capitalista. O nosso objetivo estratégico é contribuir para organizar a Revoluçom Socialista Galega como parte indissociável da Revoluçom Socialista mundial. Somos portanto umha organizaçom internacionalista. Eis polo que reivindicamos o Che Guevara.

Somos umha força patriótica e socialista galega. Luitamos por umha Galiza sem exploraçom capitalista, nem patriarcado, por umha Galiza dotada de um Estado operário plenamente soberano. Eis polo que bebemos da melhor tradiçom do marxismo autótono, do que tentou implementar umha açom teórico-prática desde a nossa singular morfologia de classes. Desse marxismo capaz de ver com olhos próprios o nosso país, de interpretar mediante a dilatética materialista a nossa história, de pensar com cabeça própria. Do marxismo sem adulteraçons, capaz de despreender-se das tutelagens assimilacionistas da metrópole madrilena, e das dependências sucursalistas.

Eis polo que reivindicamos as figuras de Benigno Álvarez e de Moncho Reboiras, sem maquilhagens nem manipulaçons.

Ambos formam parte do mais aperfeiçoado frontispício metalúrgico da épica rebelde proletária. Fam fonte de inspiraçom que emana das mais profundas entranhas do povo oprimido que nunca se resignou a ser submisso e servil.

Benigno e Moncho, representam a mais elaborada vocaçom, a mais firme decisom de construírmos um movimento revolucionário galego, dirigido pola classe operária, com programa e direçom operária, sintetizando a luita pola emancipaçom de classe com a libertaçom nacional desta parte do universo chamada Galiza.

Ainda somos modestas crisálidas, porém, fazemos parte da semente da sua heroica entrega, da sua exemplar perserverância.

O mesmo flagelo fascista que agora volta a ameaçar-nos com a prepotência e a arrogância putrefacta da pior escória, fracassou em 1937 e 1975, quando pensou que mediante a sua perseguiçom e aniquilaçom física, lograriam estirpá-los da história e da memória coletiva.

O imenso latejar do coraçom de Benigno e de Moncho, a genial inteligência de Moncho e de Benigno, estam permanentemente vivos na nossa mochila de combate, flamejam nas nossas rubras bandeiras, bulem com intensidade nos nossos sonhos e anelos de conquistarmos um mundo novo.

Por muito que irritem às leituras canónicas da charlatanaria, que só pratica funambulismo eleitoralista e cretinismo parlamentar, desde hoje, os campos de milho de Maceda e de Imo, a serra de Sam Mamede e as veigas do Sar, ficam eternamente geminadas por Benigno e por Moncho, solenemente complementadas para forjar a vitória.

Honra e glória para ambos!

Independência e Pátria Socialista!

Antes mortos que escravos!

Venceremos!

Direçom Nacional de Agora Galiza-Unidade Popular

8 de junho de 2020

Comunicado nº 142. SOLICITAMOS A TODAS AS FORÇAS ANTIFASCISTAS NOM COLABORAR COM O “PUCHEIRAÇO” DE FEIJÓ

Padrão

SOLICITAMOS A TODAS AS FORÇAS ANTIFASCISTAS NOM COLABORAR COM O “PUCHEIRAÇO” DE FEIJÓ

A medida que se aproxima a data de 12 de julho, som cada vez mais as vozes que denunciam que a convocatória eleitoral autonómica está amanhada.

Todo processo eleitoral burguês carece per se, das garantias mínimas que permitam às forças de caráter operário e popular concorrer em igualdade de condiçons. Os poderes económicos, mediante variados mecanismos, controlo dos meios de [des]informaçom burgueses, injeçons económicas e empréstitos beneficiosos dos bancos, impossibilitam umha campanha eleitoral limpa.

A esta situaçom estruturalmente desvantajosa da pseudodemocracia burguesa, devemos agregar -no caso concreto das anunciadas eleiçons da Comunidade Autónoma Galega, um conjunto de perversos truques visados para que o PP logre revalidar a maioria absoluta.

A decisom adotada pola “Junta Eleitoral Central”, permitindo o voto no domicílio, sem mais controlo que o funcionário de Correios responsabilizado de colher o envelope, é umha trampa que facilitará a continuidade de Feijó em Sam Caetano.

Resulta paradoxal que se denuncie esta estratagema eleitoral, mas nom apostar em forçar um adiamento do processo eleitoral, mediante um “plantom”.

Agora Galiza-Unidade Popular apela para oposiçom institucional e o conjunto das forças antifascistas, a nom apresentar candidatura para desmontar o engano em curso.

Todas as candidaturas que concorram 12 de julho, serám cúmplices destas eleiçons amanhadas, absolutamente adulteradas, carente das exigíveis condiçons sanitárias e socio-económicas, perturbadas pola pandemia em curso.

Em situaçons excecionais há que adotar decisons e medidas excecionais. Só o insaciável apetite de dividendos das burocracias e aparelhos políticos dos partidos da oposiçom institucional, justifica que colaborem no grande engano de Feijó. Vam a umha batalha que sabem de antemao estar inexoravelmente perdida.

É agora quando há que reagir, com coragem e audácia. De nada servirám no 13 de julho os hipócritas lamentos, os cínicos diagnósticos, e a irrespeituosa desqualificaçom sobre os comportamentos eleitorais do nosso povo.

Um “plante” da oposiçom, impossibilitaria as eleiçons na data habilmente escolhida pola reaçom, debilitaria Feijó, e permitiria contribuir a gerar umha atmósfera subjetiva visada para recuperar a iniciativa política operária e popular, abrindo um ciclo de mobilizaçom e luita.

Direçom Nacional de Agora Galiza-Unidade Popular

Na Pátria, 4 de junho de 2020

ANÁLISE E CARATERIZAÇOM DO PROGRAMA POLÍTICO DE VOX

Padrão

ANÁLISE E CARATERIZAÇOM DO PROGRAMA POLÍTICO DE VOX

Divulgamos um documento, inicialmente de caráter interno, elaborado em maio de 2019 pola Direçom Nacional de Agora Galiza-Unidade Popular.

Naquela altura, a formaçom fascista liderada por Santiago Abascal, tinha apresentado um programa de 100 pontos com o que atingiu 12 deputados nas eleiçons autonómicas andaluzas de 2 de dezembro de 2018, e 24 nas eleiçons legislativas de 28 de abril de 2019 com 2.677.173 votos [10.26%], dos que 86.126 correspondem à Comunidade Autónoma Galega [5.27%].

Nas europeias de 26 de maio de 2019 lográrom 3 deputados com 1.388.681 votos [6.20%], dos que 37.335 [2.58%] fôrom na Galiza.

Deste jeito, promovido por umha fraçom da oligarquia e por interesses eleitorais do PSOE, logrou transitar da marginalidade política extraparlamentar a converter-se a escala estatal num sujeito importante no taboleiro político institucional e mediático.

https://www.voxespana.es/…/espana/2018m/gal_c2d72e181103013…

Vox -a diferença de outras forças europeias situadas no campo da extrema direita e o fascismo, como a francesa Agrupaçom Nacional de Marine Le Pen ou a italiana Liga Norte de Matteo Salvini, tem um programa genuinamente ultraliberal, que aposta na drástica reduçom do gasto público, reduçom de impostos, liberalizaçom dos mercados e serviços, sempre justificado sob o mantra da Escola de Chicago de eliminar o défice e reduzir a dívida.

Vox, como grupo de choque da burguesia, defende sem maquilhagens nem lipossuçons um programa depredador contra os direitos e as conquistas fundamentais, atingidas pola classe operária em décadas de luita, umha declaraçom de guerra contra o mundo do Trabalho.

Vox assome como próprio o programa de máximos da oligarquia, os monopólios, FMI, Banco Mundial e a troika, que elogia a reforma laboral do PP e define o sistema de proteçom por desemprego vigorante como “um dos mais generosos” e dos “mais prolongados dos países da UE e da OCDE”.

O programa económico de Vox, a diferença de outras organizaçons e partidos fascistas europeus que defendem um capitalismo de Estado e políticas neokeynesianas, é de neoliberalismo selvagem, pois “o Estado acionista deve desaparecer do panorama empresarial espanhol”.

Contrariamente às interpretaçons historiográficas clássicas, que identificam fascismo mussoliniano e nazismo, como modelos económicos estatalistas, a iniciativa privada era determinante neste modelo de capitalismo. As oligarquias industriais, financieiras, e no caso da Itália e do Estado espanhol, os latifundistas, apoiárom, financiárom e cumprírom um rol determinante na sua génese.

En geral, a crítica marxista às diferentes variantes keynesianas é válida para a crítica económica das experiências fascistas, ou acaso o Programa de Reinhardt ideado polo economista chefe dos nazis, Hjalmar Schacht, nom era umha réplica, um calco, do New Deal de Roosevelt?
Por outro banda, estám-se publicando estudos sobre as privatizaçons levadas a cabo polo regime nazi durante a década de 30 do século passado, como é o caso de Germà Bel com Against the Mainstream: Nazi privatization in 1930s Germany, que viriam a reverter esses consensos sobre as políticas fascistas”. Antonio Torres, “El fascismo como problema teórico y práctico”, Revista La Comuna, 22 de maio de 2019.
http://www.revistalacomuna.com/…/el-fascismo-como-problem…/…

No período fascista a burguesia atingiu umha das suas maiores acumulaçons por mor da sobre-exploraçom à que era submetido o proletariado industrial e rural, logrando fabulosas fortunas.

A maioria dos grandes grupos económicos e financieiros do Ibex 35 tenhem a sua origem no franquismo. “Todas as multinacionais espanholas presentes na América Latina som, em última instância, filhas do triunfo da insurreiçom fascista em Espanha de 1936. BBVA, Banco de Santander, Abengoa, Iberdrola ou Unión Fenosa compartilham este elemento fundacional. O cidadao médio apenas imagina que a maioia dos consôrcios que dominam a economia espanhola surgem do triunfo franquista na guerra civil“ [Oriol Malló Villaplana, “El cartel español. Historia crítica de la Reconquista de México y América Latina (1898-2008)”, Madrid, Akal 2011].

À margem de debates academicistas, @Agora Galiza-Unidade Popular considera Vox umha força indiscutivelmente fascista.

O cerne da nossa linha discursiva contra as evidentes ameaças que representa o partido de Abascal nom tem como principal argumento ser umha força nostálgica da Espanha imperial e defensora do supremacismo espanholista, tampouco umha sesgada crítica das suas políticas homofóbicas e claramente machistas.

Como organizaçom socialista e revolucionária galega devemos denunciar que Vox representa o grupo de choque contra os direitos e conquistas da classe operária e do conjunto do povo trabalhador que necessita a burguesia na atual fase de agudizaçom da crise económica estrutural do capitalismo iniciada em 2008.

Pois segue plenamente vigente a interpretaçom e caraterizaçom marxista dos fascismos do período de entreguerras. Dimitrov no Relatório perante VII Congresso Mundial da Internacional Comunista, 2 de agosto de 1935, também conhecido como “A ofensiva do fascismo e as tarefas da Internacional na luita pola unidade da classe obreira contra o fascismo”, define o fascismo como a “ditadura terrorista aberta dos elementos mais reacionários, mais chovinistas e mais imperialistas do capital financieiro.

Também carateriza o fascismo como o “poder do próprio capital financieiro. É a organizaçom do ajustamento de contas terrorista com a classe obreira e o setor revolucionário dos camponeses e dos inteletuais”.

O Relatório precisa que “O desenvolvimento do fascismo e a própria ditadura fascista revestem nos distintos países formas diferentes, segundo as condiçons históricas, sociais e económicas, as particularidades nacionais e a posiçom internacional de cada país”.

O documento avança que “A subida do fascismo ao poder nom é umha simples mudança de um governo burguês por outro, senom a substituiçom de umha forma estatal da dominaçom de classe da burguesia -a democracia burguesa- por outra, pola ditadura terrorista aberta. Passar por alto esta diferença seria um erro grave, que impediria ao proletariado revolucionário movimentar as mais amplas camadas dos trabalhadores da cidade e do campo para luitar contra a ameaça da tomada do poder polos fascistas, assim como aproveitar as contradiçons existentes no campo da própria burguesia. Porém, nom menos grave e perigoso é o erro de nom apreciar suficientemente o significado que tenhem para a instauraçom da ditadura fascista as medidas reacionárias da burguesia que se intensificam atualmente nos países de democracia burguesa, medidas que reprimem as liberdades democráticas dos trabalhadores, restringem e falseam os direitos do Parlamento e agravam as medidas de repressom contra o movimento revolucionário”.
https://www.marxists.org/espanol/dimitrov/1935.htm

António Gramsci, fundador do PCI, sintetizou com lucidez e rigor os objetivos do fascismo: o fascismo é funcional à grande oligarquia; o fascismo dirige-se contra o movimento obreiro organizado e contra umha perspetiva revolucionária concreta ou potencial; e finalmente, o fascismo surge da crise, nom só meramente económica, senom da consequente crise política.

EIXOS CENTRAIS DO PROGRAMA DE VOX
A continuaçom debulhamos e sintetizamos as principais ideias força de Vox, como expressom mais desacomplexada do fascismo espanhol.

1- Política económica
-Apoio inquebrantável à propriedade privada, liberalizaçom e disminuiçom da intervençom do Estado na economia.
-Feche ou venda de todas as empresas públicas que gerem “perdas” e privatizaçom das participaçons do Estado em Rede Eléctrica, Indra, Enagás, etc.
-Privatizaçom das TV públicas autonómicas e locais.
-Privatizaçom plena de AENA e introduçom do setor privados na rede de transporte ferroviário de passageiros e mercadorias.
-Liberdade de contrataçons sem restriçons no mercado de alugueres, reforma da legislaçom das Socimis [Sociedades Anónimas Quotizadas de Inversom Imobiliária], absoluta facilidade nos despejos e poder absoluto de proprietários frente inquilinos.
-Conjunto de medidas de reforma fiscal em prol de beneficiar as rendas mais elevadas.
-Eliminaçom e reduçom de numerosos impostos deixando só dous tramos do IRPF frente os cinco atuais, um tipo único de 22% para rendas até 60.000 euros, frente 45% atual. Rebaixa fiscal profunda só beneficiará a burguesia.
-Reduçom dos impostos a Sociedades, passando do 25% atual a 12.5%.
-Utilizaçom do IVA para substituir as quotizaçons sociais.
-Reduçom do IBI [Imposto sobre Bens Imóbeis].
-Medidas de proteçom e melhoras laborais e económicas das forças repressivas: funcionariado de prisons, polícia, Guarda Civil. Neste âmbito, junto ao funcionariado de “justiça” e no mastondôntico setor da segurança privada, tem Vox umha boa parte do seus mais sólidos apoios.

2- Direitos e conquistas laborais
-Elógio da reforma laboral do PP, mas considera que é necessário acrescentar mais medidas visadas para o seu endurecimento.
-Defensa da limitaçom do direito a greve regulado em 1977. Propom umha “Lei de greve moderna”, pola que convocatória da greve exigirá o voto maioritário e secreto dos trabalhadores e trabalhadoras do setor [na atualidade podem acordá-la a maioria dos representates dos trabalhadores no Comité de Empresa]. @s trabalhadores/as que nom desejem somar-se, podem trabalhar com garantias [legalizaçom das esquirolagem].
-Atividade dos piquetes informativos só se poderia fazer no centro de trabalho. Comité convocante respostará perante a justiça dos danos físicos ou materiais.
-Possibilidade de rebaixar as condiçons dos convénios. Priorizam os convênios de empresa sobre os territoriais [autonómicos e provinciais].
“Os trabalhadores individuais devem de ter umha alternativa a qualquer convénio para acordar com o empresário a sua remuneraçom e condiçons de trabalho”. O empresário poderia subscrever no contrato do empregado condiçons laborais e salário menores que as garantizadas polo seu convênio.
-As indenizaçons por despedimento som elevadas, questiona o atual sistema de proteçom por desemprego e pretende reduzir as quotizaçons à segurança social.
-“Semi”privatizaçom do sistema pensions, perante a “avalancha de pensionistas”.
-Aumento da idade de jubilaçom e do número de anos quotizados para poder optar à pensom.

3- Demagogia, chauvinismo espanholista, centralizaçom política e reforma eleitoral
-Unidade de Espanha e defesa inquebrantável da unidade espanhola.
-Eliminaçom das Autonomias, com destaque para a suspensom imediata da Autonomia da Catalunha.
-Ilegalizaçom de partidos, associaçons e ONG´s que perseguem a “destruiçom da unidade territorial”, do quadro de acumulaçom e expansom de capital do bloco oligáquico espanhol.
-Dotaçom da máxima proteçom jurídica à sImbologia da naçom espanhola, especialmente a bandeira, hino e a Coroa.
-Agravamento das penas por “ofensas a Espanha” e aos seus símbolos.
-Eliminaçom do Senado.
-Conjunto de medidas claramente demagógicas e populista de cortes em gastos políticos, assesores, carros oficiais.
-Estabelecimento de um poder judicial de “ámbito nacional”.
-Fusom de concelhos e reduçom do número de representas locais.
-Reduçom dos sistema de financiamento autonómico com destaque para o Cupo Basco e o Concerto Navarro.
-Reforma do sistema eleitoral para que “os votos dos espanhóis sejam iguais e podam eleger os deputados num “distrito único nacional”.
-Supressom das quotas (por sexo) nas listagens eleitorais.

4- Código Penal e legislaçom repressiva
-Derrogaçom da lei de memoria histórica.
-Estabelecimento da cadeia perpetua sem possibilidade de revisom de prisom provisória ou de rebaixa da condena.
-Fim dos subsídios a partidos políticos, sindicatos, organizaçons que promovam “proselitismo ideológico”.
-Eliminaçom de privilêgios penitenciârios (salários, segurança social) a presos condenados por “terrorismo” e a imigrantes “ilegais”.
-Criaçom de um memorial de “vítimas do terrorismo”.
-Promover leis antiocupaçom. Autorizaçom a proprietários de “uso da força proporcional” para defender o “seu fogar” e propriedades. Alargará-se o conceito de legítima defesa.
-Eliminaçom do indulto, endurecimento das penas do Código Penal para “políticos corrutos” ou que “nom cumpram a legalidade”.

5- Sistema Sanitário
-Nom apostam num sistema sanitário universal.
-Advogam pola eliminaçom do acesso gratuíto à sanidade para imigrantes “ilegais” e copago para todos os imigrantes residentes que levem menos de 5 anos de permanência no Estado espanhol.
-Criaçom de um cartom sanitário único, um calendário de vacinaçom único e supressom da sanidade pública para intervençons quirúrgicas relacionadas com o aborto e mudança de sexo. A sanidade pública somente cubriria serviços de urgência.
-Dar de baixa todas as pessoas que apostem numha mútua privada.

6- Sistema Educativo
-Criaçom de um único sistema para todo o “território nacional”. Vox ataca duramente a educaçom pública, considerando-a umha farsa e “miragem”.
-Apostam porque as administraçons acheguem un cheque escolar às famílias com um importe equivalente “ao custe médio de um posto escolar num centro público”. O bono poderá-se convalidar tanto em centros concertados como privados.
-Defesa da lingua espanhola como veicular e obrigatória, enquanto as “co-oficiais”passem a ser estudadas como matérias optativas.
-Realizaçom de exames de controlo nos que se inclua a mediçom do conhecimento do espanhol.
-Limitaçom das ajudas do Estado a atividades culturais que nom fomentem o patriotismo espanhol.

7- Imigraçom
-Vox considera que qualquer imigrante que nom aceda ao Estado espanhol por vias legais seja incapacitado “de por vida”, e nom poda legalizar a sua situaçom, nem perceber qualquer tipo de ajuda da administraçom estatal.
-Deportaçom de imigrantes reincidentes que cometam delitos leves ou algum delito grave.
-Levantamento de “um muro infranqueável em Ceuta e Melilha”, e proporcionar à polícia e exército todo material e recursos necessários para vigiar as fronteiras e impossibilitar a entrada de imigrantes “ilegais”.

8- Violência machista, igualdade e direitos LGTBI
-Substituiçom da lei contra a violencia machista por “umha lei de violência doméstica” que nom julgue o sexo do agressor e nom facilite subsídios a associaçons feministas.
-Defesa da “vida” desde a concepçom até a morte natural. Reforma da lei de adoçom.
-Derrogaçom da lei de igualdade de género por “intervir totalitariamente na sociedade com o pretexto de promocionar as mulheres desde a premissa de que, senom se alcança um 50/50 em todos os ámbitos, é porque as mulheres som discriminadas”.
-Derrogaçom da lei LGTBI por considerar que contam com “privilêgios” e que estas associaçons “interfirem na educaçom, na administraçom e percebem subsídios”.
-Defesa da família tradicional e criaçom do “Ministêrio de Família”.
-Proibiçom dos ventres de aluguer e toda atividade que utilice como produto a compra e venda de seres humanos.
-Defesa da custôdia compartilhada como regra geral e proteçom do direito dos menores a relacionar-se con ambos progenitores.

9- Política internacional
-A diferença de outras organizaçons fascistas a nível europeu, Vox defende a continuaçom do Estado espanhol na UE.
-Considera necessário impulsionar um novo tratado europeu que aumente o peso do Estado espanhol na tomada de decisons dentro da UE.
-Intensidade e determinaçom nas açons diplomáticas para a devoluçom de Gibraltar.
-Apoio à entidade sionista.

10- Proteçom e promoçom da tauromaquia e da caça
-Impulsionar umha lei de proteçom que a considere como parte do “património cultural espanhol”.
-Sobre a caça estabelece como prioridade a sua proteçom como “umha atividade necessária e tradicional no mundo rural”. Promoçom de umha licença única e eliminaçom do sistema de licenças autonómicas.

11- Meio ambiente
-Mantimento das centrais nucleares “rentáveis”.

Comunicado nº 141. “PLANTOM” ANTIFASCISTA ÀS ELEIÇONS TRAMPA DE 12 DE JULHO

Padrão

“PLANTOM” ANTIFASCISTA ÀS ELEIÇONS TRAMPA DE 12 DE JULHO

Pola excepcionalidade que padecemos, nom existem as “mínimas condiçons democráticas” para realizar as eleiçons autonómicas, convocadas para 12 de julho por Alberto Nuñez Feijó.
Assim o manifestamos há duas semanas. Os posteriores movimentos do PP constatam e ratificam a necessidade de um “plantom”.

A crise sanitária em curso, os graves problemas socioeconómicos derivados dos ERTEs, dos despedimentos, do fechamento de grandes empresas como Alcoa, o estado de shock derivado do confinamento, a férrea censura e manipulaçom goebbeliana, unido à desestabilizaçom golpista que Feijó nom condena, impossibilita que a pre-campanha e a campanha eleitoral, se podam celebrar garantindo as “mínimas condiçons democráticas”, na lógica do parlamentarismo burguês.

Som umhas eleiçons amanhadas polo PP, nas que de partida já está garantido que Feijó revalidará a maioria absoluta atual.

As propostas lançadas pola maquinária eleitoral do PP, restringindo o período e o modelo de campanha, solicitando o voto nos domicílios sem presença de interventores e apoderados, as dificuldades de movimento para aceder aos colégios eleitorais, nom só endurecem e adulteram as já de por si restritivas condiçons habituais, som a crónica de um “pucheiraço” anunciado.

As eleiçons de 12 de julho estám amanhadas. Serám umha monumental fraude que facilitarám 4 anos mais de políticas antipopulares e antigalegas por parte da camarilha fascista empoleirada no aparelho de dominaçom autonómico.

Participar nesta farsa é sinónimo de entregar em bandeja de prata a Feijó a perpetuaçom do seu projeto reacionário.

Agora Galiza-Unidade Popular apela à oposiçom institucional e o conjunto das forças antifascistas, a nom apresentar candidatura para desmontar o engano em curso.

Nestas condiçons, a única posiçom coerente para evitarmos mais quatro anos de desfeita socio-laboral, económica, meio-ambiental e cultural, de privatizaçons e perda de conquistas e direitos, é nom participar nesta trampa eleitoral.

Apelamos ao conjunto das forças antifascistas galegas a nom avalar a trampa eleitoral com a que o PP pretende perpetuar-se. Um “plante” da oposiçom impossibilitaria as eleiçons de 12 de julho.

Direçom Nacional de Agora Galiza-Unidade Popular.

Na Pátria, 29 de maio de 2020